Diverticulite

A diverticulose é caracterizada pela presença de numerosos divertículos no intestino, principalmente no cólon sigmóide.

Um divertículo é uma pequena saculação ou bolsa circular que se desenvolve na parede do cólon e tem comunicação direta com o interior do intestino. Representa uma herniação da camada mais interna de revestimento do intestino através de um ponto de fraqueza na parede do cólon. Podem variar em número e localização e podem acometer todo o cólon. Acometem mais freqüentemente o cólon sigmóide, e com maior freqüência em indivíduos acima de 50 anos.

Sua etiologia ainda não está bem definidam mas, tem-se atribuído o aparecimento dos divertículos aos hábitos alimentares onde a fibra é escassa. Os alimentos mais refinados, sem verduras, sem farelo, que as pessoas tem introduzido nos seus hábitos alimentares são muito provavelmente a causa principal do seu aparecimento.

A diverticulite acontece se uma dessas bolsas fica inflamada. É a complicação mais freqüênte da diverticulose e ocorre em 30% dos pacientes, dentro dos próximos 20 anos após seu diagnóstico.

Dor abdominal importante, sensibilidade à pressão no quadrante inferior esquerdo são os sintomas predominantes, acompanhados de febre, náuseas, vômitos, distensão abdominal após alimentação, mudança do hábito intestinal e sangramento retal. A dor da diverticulite aguda é semelhante a da apendicite, só que no lado esquerdo.

O diagnóstico da doença diverticular é feito com base na história clínica, nos sintomas presentes, no exame do paciente e em exames complementares. Entre estes poderá ser feita uma radiografia, ultrassonografia ou tomografia computadorizada de abdome total, que é o padrão ouro.

O tratamento clínico permite a cura em 70 a 85% dos pacientes com diverticulite aguda e consiste em antibióticos orais ou venosos e restrição dietética.A cirurgia é reservada para episódios recorrentes, nas complicações ou quando não há resposta ao tratamento clínico. Os casos em que a cirurgia é indicada, a parte do colon acometida é removida e uma colostomia temporária pode ser necessária. Apenas 20% dos casos de diverticulite exigem cirurgia devido a não melhoria do quadro. Desses, cerca de 70% apresentam dor e inflamação e os outros apresentam sangramento, fístulas ou obstrução. O tratamento de uma fístula envolve a remoção do segmento do intestino grosso onde a fístula começa e a anastomose que é a conexão das extremidades do intestino seccionado. O tratamento cirurgico é realizado por laparoscopia (cirurgia por pequenos orificios) com beneficios como menor dor pos-operatoria, menor tempo de internacao hospitalar, melhor aspecto estetico, menor indice de complicacoes e retorno as atividades diarias mais precoce.

Prevenção

Podem ser adotadas algumas medidas para ajudar a prevenir a ocorrência de divertículos e também, para tentar evitar episódios de diverticulite e outras complicações. Estas medidas consistem essencialmente em alterações dos hábitos alimentares, com aumento da quantidade de fibras e de líquidos na dieta e atividade física regular.

R: Sabará, 566 cj 44
Higienópolis, São Paulo - SP
Tel: (11) 3259.6120 | 3257.6577

Hospital Albert Einstein - Av. Albert Einstein, 627
2° Andar, Sala 220, Morumbi, São Paulo, SP
Tel: (11) 2151.9275

Especialidades:
Bypass, Câncer de Estômago, Câncer de Pâncreas, Câncer do Fígado, Câncer Intestino, Capella,
Cirurgia Robot, Cirurgia Robótica, Colecistectomia, Sintomas Diverticulite, Hérnia Hiatal, Hérnia Inguinal,
Obesidade Infantil, Obesidade Mórbida, Pedra na Vesícula, Perda de Peso, Perder Peso, Quero Emagrecer,
Refluxo Gastroesofágico, Videolaparoscopia

© 2015 Dr. Vladimir Schraibman. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Exiboo