Cirurgia Robótica

Inicialmente introduzida nas ultimas duas décadas do século XX, a cirurgia laparoscópica se tornou um acesso cirúrgico atraente e hoje em dia é rotineiramente utilizada a fim de se minimizar a morbidade cirúrgica. Desde então, tecnologias diferentes se desenvolveram rapidamente e novas ferramentas apareceram, permitindo aos cirurgiões realizar cirurgias laparoscópicas mais sofisticadas. Neste contexto, os sistemas robóticos foram criados com o objetivo de melhorar ainda mais este conceito de cirurgia minimamente invasiva.

O primeiro sistema robótico criado para ser utilizado em ambiente cirúrgico foi primeiramente utilizado em 1994 nos Estados Unidos. O AESOP™ (Automated Endoscopic System for Optimal Positioning) foi criado para uso em cirurgia laparoscópica. Trata-se de um braço mecânico que segura a ótica laparoscópica e pode ser controlado pelo cirurgião tanto com pedais ou com comando de voz. O seu maior benefício é eliminar os movimentos indesejáveis do assistente.

Enquanto os sistemas de visualização melhoraram, a habilidade do cirurgião em cirurgia laparoscópica permaneceu como um problema crucial na realização de procedimentos laparoscópicos complexos. Movimentos laparoscópicos tridimensionais baseados em uma ótica com movimentos bidimensionais e instrumentos laparoscópicos com apenas 4 graus de liberdade de movimentação são fatores determinantes para o desenvolvimento de cirurgias laparoscópicas complexas. A partir desta necessidade, sistemas robóticos mais sofisticados surgiram com o objetivo de facilitar os movimentos do cirurgião.

Foi na Alemanha, na primeira metade da década de 90 que o novo conceito de cirurgia robótica surgiu, o ARTEMIS™ (Advanced Robotic Telemanipulator Minimally Invasive Surgery). Na verdade não passou de um arquétipo e não obteve nenhuma utilidade prática.

Em 2000, dois sistemas robóticos foram liberados para uso nos Estados Unidos, o Zeus™ e o Da Vinci™. O primeiro apresenta três braços, dois para manipulação dos instrumentos laparoscópicos e o outro para a câmera. O cirurgião controla os instrumentos de um console que está próximo do paciente. Um sistema de voz é utilizado para o movimento da câmera e os instrumentos são manipulados através de um console similar ao de um videogame. O Da Vinci™ apresenta três ou quarto braços e possui algumas diferenças em relação ao Zeus™: a câmera é controlada por um pedal e a ótica possui duas fontes de imagem permitindo ao cirurgião a construção de uma imagem tridimensional. O Zeus também possui esta habilidade, porém com o uso de óculos especiais. A grande vantagem de se utilizar estes sistemas robóticos é o aumento de liberdade de movimentação das pinças do cirurgião, as quais são mais articuladas principalmente em suas extremidades, quando comparadas as pinças laparoscópicas convencionais. Ainda, o possível tremor do cirurgião é eliminado pelo sistema e não é transmitido para o campo operatório. Outras vantagens incluem o posicionamento mais ergonômico do cirurgião, tornando os possíveis erros causados pela fadiga menos prováveis e ainda criando uma perspectiva de telecirurgia.

Inúmeros estudos têm reportado resultados cirúrgicos utilizando o sistema Da Vinci, o qual se demonstrou efetivo e seguro em inúmeros procedimentos da área de cirurgia geral e do aparelho digestivo. Nenhuma mortalidade relacionada ao sistema robótico foi descrita até os dias de hoje na área de cirurgia geral e do aparelho digestivo. O sistema robótico permite a realização de procedimentos mais sofisticados e de difícil realização por via laparoscópica. Permite ainda melhor visão nos casos de retirada de ganglios, disseccoes delicadas e em regioes de dificil acesso, menor sangramento pela visualização de vasos delicados e pequenos pois possui imagem em 3 dimensoes gerando menor tempo de internacao hospitalar, recuperacao mais rapida, menos dor no pos-operatorio e melhor aspecto estetico por realizar incisoes menores.

O desenvolvimento atual de mini robôs e técnicas associadas de realidade e navegação afetaram sobremaneira a tecnologia em uso hoje em dia.

Por meio da nossa experiência atual notamos que ressecções colônicas e do reto, cirurgias anti-refluxo e cirurgia para tratamento da obesidade são seguras e eficazes nos pacientes.

Como reportado na literatura, podemos ainda fazer o uso híbrido do robô, quando parte das dissecções são feitas por via laparoscópica e outras partes são feitas com o auxílio do robô. Esta abordagem permite menor tempo cirúrgico em algumas situações.

Quem irá definir, no futuro, a mudança da via laparoscopica para a robotica e a melhor indicacao será sempre o médico com bom senso, treinamento adequado, humanidade no relacionamento e tratamento ao paciente. Se o binômio médico-paciente não for a meta do nosso empreendimento descaracteriza-se a solidez de nossa sagrada profissão.

R: Sabará, 566 cj 44
Higienópolis, São Paulo - SP
Tel: (11) 3259.6120 | 3257.6577

Hospital Albert Einstein - Av. Albert Einstein, 627
2° Andar, Sala 220, Morumbi, São Paulo, SP
Tel: (11) 2151.9275

Especialidades:
Bypass, Câncer de Estômago, Câncer de Pâncreas, Câncer do Fígado, Câncer Intestino, Capella,
Cirurgia Robot, Cirurgia Robótica, Colecistectomia, Sintomas Diverticulite, Hérnia Hiatal, Hérnia Inguinal,
Obesidade Infantil, Obesidade Mórbida, Pedra na Vesícula, Perda de Peso, Perder Peso, Quero Emagrecer,
Refluxo Gastroesofágico, Videolaparoscopia

© 2015 Dr. Vladimir Schraibman. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Exiboo